PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Varejo da RMC prevê alta na ‘Black Friday’

Shoppings da RMC investem na temporada de "superdescontos" e comércio espera faturar até 10% mais

Black Friday. Muito mais do que uma mera expressão em inglês, que significa algo como “Sexta-feira negra”, o termo a cada ano ganha significado mais especial para o comércio no País, onde essa grande liquidação – que foi importada dos Estados Unidos – já é tida em muitos segmentos como a segunda melhor data para o comércio no Brasil, atrás apenas do Natal. Nas cidades da RMC (Região Metropolitana de Campinas), a campanha de “superdescontos” se estende por todo o dia de hoje, principalmente nos shoppings, com alta expectativa dos comerciantes.

PUBLICIDADE

Pelos cálculos da Acic (Associação Comercial e Industrial de Campinas), a data deve movimentar pelo menos R$ 300 milhões em vendas até domingo na RMC, o que representaria crescimento entre 5% e 10% sobre a data no ano passado.

SHOPPINGS APOSTAM

PUBLICIDADE

O comércio eletrônico continua sendo o principal canal de vendas na Black Friday. Segundo um estudo recente da consultoria internacional GFK, 52% dos consumidores optam pelas compras via Internet na data.

Mas apesar dessa maioria na “preferência nacional”, os shoppings centers investem alto para que o consumidor consulte as promoções na Internet, mas saia de casa para efetuar as compras em lojas físicas.

PUBLICIDADE

Além dos descontos, shoppings da região estão oferecendo outras vantagens aos clientes, como horários ampliados, estacionamento cortesia, atrações musicais e novas experiências de compra. Por isso, a expectativa é bem otimista: os lojistas estimam que as vendas serão entre 5% e 8% maiores que no ano passado. Os segmentos que devem alavancar as vendas são os de telefonia, artigos de informática e vestuário, tendo como ticket médio de compras o valor de R$ 300.

Um exemplo é o Tivoli Shopping, entre Santa Bárbara d’Oeste e Americana, onde algumas lojas prometem descontos de até 80%.

As Lojas Americanas do Tivoli estão abertas desde a meia-noite de ontem. Já as Casas Bahia e o Magazine Luiza abrirão às 7h e ficarão em funcionamento até o último cliente.

Para Alexandre Biancamano, diretor de Marketing da rede Iguatemi, responsável pelo Iguatemi Campinas e Galleria Shopping, ambos em Campinas, o fenômeno Black Friday já é parte do calendário e a adesão de lojistas e clientes vem crescendo nos últimos anos. Ao todo, nos dois shoppings, mais de 120 lojas aderiram. “Estamos com ótimas expectativas para as vendas e atração do público, oferecendo descontos efetivos que extrapolam a dinâmica tradicional das lojas, com uma vitrine virtual de promoções. Esperamos trazer 10% a mais de consumidores no período da ação”, comentou.

O Shopping Parque das Bandeiras, também em Campinas, aposta em cupom de ofertas. Os clientes que baixarem o aplicativo poderão aproveitar centenas de cupons de descontos de até 50% e ir à loja física e aproveitar a promoção. A expectativa é de um aumento de 9% no fluxo de pessoas e 13% nas vendas.

O Campinas Shopping, às margens da Via Anhanguera, em Campinas, promete estender o horário das lojas, das 10h às 23h de hoje, e das 10h às 22h amanhã. No domingo, das 12h às 20h. “Estamos engajados na campanha para oferecer o melhor preço aos clientes, principalmente para quem já pensa em antecipar as compras de fim de ano”, comentou a administração do empreendimento.

Já o Parque Dom Pedro Shopping, maior da RMC, oferece uma novidade: cinco mega caixas contendo vários tipos de produtos com preços imperdíveis que só serão “abertas” às 10h de hoje, quando o shopping funciona até a meia-noite, em horário estendido. O estacionamento é gratuito.

“A data é uma das mais aguardadas pelos brasileiros e decidimos ir além das ofertas e comemorar a nossa quinta participação presenteando os clientes, que vão encontrar aqui tudo o que desejam, em clima de festa, segurança e muita descontração”, disse Rodrigo Galo, superintendente do Dom Pedro.

COMÉRCIO DE RUA

No comércio central, ou de rua, lojistas da região consultados pela reportagem não deixam de fazer suas promoções de desconto aproveitando a Black Friday, mas as ações são mais individualizadas do que nos shoppings.

“Em Nova Odessa, várias lojas aproveitam a data. Nossa função é alertar aos filiados em relação ao Código de Defesa do Consumidor e aos direitos do cliente nessas promoções”, avalia Claudiney da Silva, presidente da Acino (Associação Comercial e Industrial de Nova Odessa).

Em Americana, segundo a Acia (Associação Comercial e Industrial de Americana), não há ação específica para a data. Mas, assim como em Nova Odessa e em Sumaré, comerciantes farão promoções individualmente, prometendo grandes descontos nas mercadorias.

Em Santa Bárbara d’Oeste, a expectativa é de um aumento de 10% nas vendas em compração com o mesmo período de 2017. Mesmo com esse incremento no faturamento, a Acisb (Associação Comercial e Industrial de Santa Bárbara d’Oeste) não vai realizar nenhuma ação conjunta no varejo.

 

 

PUBLICIDADE

Pin It on Pinterest

Share This